“A situação é muito complicada. Nunca tivemos pessoas tão novas em cuidados Intensivos. Temos 18 camas de Cuidados Intensivos cheias, temos as urgências cheias. Precisamos de perceber que temos de parar. E parar é ficar em casa.” O apelo é do presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar do Médio Tejo, que faz o ponto de situação dos últimos dias no CHMT.