Foto CHMT
PUB

O Serviço de Patologia do Centro Hospitalar do Médio Tejo realizou, neste período de Pandemia pelo novo coronavírus, Sars-Cov 2, cerca de sete mil e quinhentos testes ao Covid – 19.

Este registo foi apresentado esta manhã, pelo diretor do Serviço de Patologia, Carlos Cortes, durante uma visita ao laboratório da presidente da Câmara Municipal de Tomar, Anabela Freitas, acompanhada pelos elementos do Conselho de Administração do CHMT.

O Serviço de Patologia, do Centro Hospitalar do Médio Tejo, é um dos mais diferenciados do país, sendo nas palavras de Carlos Andrade Costa, presidente do Conselho de Administração do CHMT, “um dos serviços que mais esteve na linha da frente no combate ao Covid-19. Temos um laboratório dos mais diferenciados, um laboratório onde fizemos um conjunto de investimentos, em equipamentos de vanguarda, que nos permite responder cada vez melhor a esta situação de Pandemia”.

Carlos Cortes, diretor do Serviço de Patologia do CHMT, refere a capacidade diferenciadora dos laboratórios, destacando que o “Serviço tem feito colheitas não só na área territorial do Médio Tejo, como temos ido para além desta área. Ainda esta semana estivemos em Vila de Rei e Sertã”, disse.

O diretor do Serviço de Patologia frisou ainda que “o laboratório está altamente diferenciado. Muitos hospitais do país não dão, ainda, resposta ao Covid-19. O CHMT dá essa resposta e fá-lo de duas formas: através da biologia molecular clássica, que é a mesma que se faz, por exemplo, no Instituto Ricardo Jorge, mas também através da biologia molecular mais rápida, que são os chamados testes rápidos”, explica Carlos Cortes.

O Serviço de Patologia, no âmbito da resposta que foi necessária dar à Pandemia, foi reorganizado, quer com a implementação de novos circuitos, quer através do aumento de recursos humanos. Neste momento conta com uma equipa formada por cerca de 70 profissionais de saúde.

“Tivemos a oportunidade de conseguir contratar mais recursos humanos, o que nos permitiu dar uma resposta excelente ao Covid-19 e, ao mesmo tempo, manter toda a outra atividade laboratorial”, frisou Carlos Cortes, garantindo que “não houve nenhuma falha”.

Anabela Freitas, presidente da Câmara Municipal de Tomar, no final desta visita ao Serviço de Patologia do CHMT, mostrou-se “agradada”, considerando que “o CHMT preparou-se em tempo para esta Pandemia. Desde Janeiro que começou a preparar e a reorganizar serviços e circuitos para aquilo que nenhum de nós sabia o que viria”, lembrou Anabela Freitas.

A presidente da autarquia Tomarense realçou o “trabalho em parceria com as outras instituições do território” realizado pelo CHMT, afirmando que “o CHMT esteve sempre na linha da frente. O CHMT aproveitou esta situação excepcional para se preparar também para o futuro, através de equipamentos de excelência e de equipas altamente diferenciadas”, sublinhou Anabela Freitas.

A presidente da Câmara Municipal de Tomar, mas também presidente da CIMT (Comunidade Inter Municipal do Médio Tejo), aproveitou a ocasião para “agradecer a todos os profissionais do Centro Hospitalar de Médio Tejo que estiveram em todo o território da Comunidade do Médio Tejo”.