Concerto dos Deep Purple no Coliseu de Lisboa em 2010. Foto EOL

Quando todos podermos voltar a sentir a partilha, o calor, a música, o encanto de um concerto ou de um Festival, vamos dar um valor ainda maior a estes momentos, que agora não podemos experimentar.

Quem podia estar a gostar destes novos tempos eram os animais de companhia, principalmente os cães, que agora fartam-se de andar na rua. Mas até eles já andam cansados de tanto passeio…

Se acreditarmos nas promessas que todos fazemos agora, quando isto acabar vamos todos dar abraços e beijinhos uns aos outros e juntarmo-nos em grandes almoços, jantaradas e grandes festas. Ou será, que isto nunca mais vai ser como dantes e vamos todos ter medo uns dos outros, sejam eles homens, mulheres, ou nem uma coisa nem outra?

Vamos acreditar que vai valer a pena o sacrifício de estarmos fechados em casa, com todo o tempo do mundo para fazermos tudo o que até aqui, não fazíamos por “não termos tempo”. “Quem me dera, não ter tempo, para ter tempo”.

António Miguel