Foto Lúcia Veríssimo

Esta sexta-feira, dia 29 de novembro, o Cine-Teatro São João deu lugar à entrega dos Prémios de Mérito relativamente ao ano letivo transato. A cerimónia contou com “a organização conjunta da direção e com todas as coordenadoras de ciclo”, explicou Amélia Vitorino, diretora do Agrupamento de Escolas Cidade do Entroncamento, em conversa com o EOL.

Entre elas, a professora Alice, enquanto coordenadora do 1º ciclo; a professora Maria José Valente, enquanto coordenadora dos Diretores de Turma do 2º ciclo, a professora Carla Paixão, coordenadora dos Diretores de Turma do 3º ciclo, a professora Isabel Martins, coordenadora dos Diretores de Turma do secundário e a professora Rosa Aranha, coordenadora dos Diretores de Turma do ensino profissional.

O evento, que premiou alunos do 4º ao 12º ano de escolaridade, regeu-se quer pelo valor, quer pela excelência, integrando o ensino regular e o ensino profissional. Os prémios de excelência foram entregues a alunos a partir do 4º ano e os prémios de valor destacaram os alunos “tendo em conta ações de voluntariado, de solidariedade e muitas das atividades que desenvolvem também extracurricularmente e que visam o desporto, as competições, etc. É um leque muito abrangente, alunos no âmbito das olimpíadas da química, do nosso clube de robótica. É uma panóplia imensa, visto que o nosso agrupamento também tem um conjunto de projetos a nível local, nacional e internacional, onde estamos envolvidos e procuramos dar visibilidade através dos prémios recebidos, pelo agrupamento, aos alunos. Queremos que a comunidade seja uma comunidade de sucesso”, acrescentou ainda a Prof. Amélia Vitorino.

Assim, a aptidão exemplar dos alunos que integram o quadro de valor permitiu, ao agrupamento, alcançar primeiros prémios de menções honrosas.

Recuando aos prémios de mérito, haverá uma receita mágica para se ter boas notas? Em conversa com alguns alunos do secundário, agora finalistas, o EOL apurou algumas respostas.

Mara Inês Neves, atualmente aluna do 12º ano, explica que ter boas notas “requer, acima de tudo, muito estudo e estudo regular. Contudo, o mais importante é estarmos confiantes de nós próprios e conscientes das nossas capacidades e acharmos até ao fim que somos capazes. Só assim conseguimos atingir os nossos objetivos e o sucesso”, no entanto, para tal, teve que abicar de algumas coisas. “No 11º ano deixei de ir ao ginásio e foi um bocado complicado para mim, porque o ginásio é importante para manter a saúde mental e física. Acho que é importante conseguirmos conciliar as duas coisas”, reforçou.

Em conversa com João Flores, também finalista, disse-nos que “acima de tudo temos que estudar. Estudar às vezes tem que ser uma prioridade em relação às atividades extracurriculares, mas não podemos deixar de fazer o que gostamos de fazer.

Assim como a Maria Inês e o João, também o Francisco Bastos partilha da opinião de que é precisa muita dedicação. “Acho que a fórmula do sucesso é igual em todos os lados. É trabalhar, é estudar, é esforçarmo-nos e, acima de tudo, compreender que os professores estão ali para nos ensinar e tentar ao máximo aproveitar aquilo que nos dão”, elucidou. Embora Francisco tenha conseguido conciliar a vida escolar com a vida pessoal, não foi fácil. “Consegui conciliar os dois mundos, mas isso exigiu uma certa organização, um certo esforço. Tive de abdicar de horas que podia estar a dormir para conseguir estar a fazer outras coisas”, disse-nos.

Para além da atribuição de prémios, contou-se ainda um apontamento musical e outros literários. Na primeira parte, houve um espetáculo com alunos do clube de guitarra, dinamizado pelo professor José Paulo. Trata-se de um grupo que reúne alunos de todos os graus de ensino, onde é visível um excelente exemplo da inclusão. Tocaram e cantaram o tema popular Valentim e a canção “Cuido de Você”.

Posteriormente foram declarados dois poemas. “Tudo ao Contrário!”, de Luísa Ducla Soares e um poema de Sophia de Mello Breyner Andresen, tendo em conta os 100 anos de aniversário da poetisa.

Mais tarde, ouvimos ainda uma parte do Hino à Alegria, feito pelos anos do 5º e 6º anos.

O evento contou com a presença dos alunos e respetivos familiares e docentes, que num ambiente de festa, estavam ali para os congratular.

Lúcia Veríssimo