PUB

Hoje resolvi escrever-vos sobre a notícia de alguns ecos cultuais da figura e do Santo São Pedro na história local da antiga vila de Punhete, sem deixar de referir in fine, uma pedra que ainda tenho no sapato a respeito de uma desfeita pessoal do dito Santo…

Recuando no tempo… sabe-se que a Irmandade dos clérigos pobres da Vila de Punhete São Pedro Ad Vincula, beneficiava de indulgências perpéctuas, concedidas pelo Papa Clemente X. Esta informação consta do livro da irmandade, de acordo com uma citação de um manuscrito do cronista Joaqum dos Mártires Neto Coimbra, de 1954.

Nos anos 70 do século passado cheguei ainda a ter a oportunidade de ver o livro da Irmandade, de seiscentos, o qual possui iluminuras fantásticas em tonalidades claras, à data aparentemente bem preservadas.

Na actual matriz existem duas imagens de São Pedro, sendo que a de São Pedro Advincula, existente na sacristia, terá escapado à fúria dos invasores e teria vindo originalmente da ancestral Capela de São Pedro (?).

São Pedro, crê-se, em pormenor na última ceia, numa tela atribuída a Pedro Alexandrino, na Capela seiscentista de Constância, ora do Santíssimo e, originalmente, da invocação de Nossa Senhora dos Mártires.

Segundo os registos paroquiais do início do século XIX (primeiro quartel), reproduzidos pelo nosso já citado cronista, a Capela de São Pedro Pedro estava anexa à paróquia o que releva para efeitos da jurisdição eclesiástiva e não é de somenos importância. A este facto não será alheia porventura a circunstância de ter sido para a mesma trasladado, mormente, o Santíssimo, por ocasião pelo menos de uma cheia, a fazer fé nos registos paroquiais os quais retenho de memória e são imensos e detêm informação privilegiada (cópias das provisões e registos efectuados pelas confrarias, junto da então Comarca de Tomar).

A presença do culto e da imagem de São Pedro é uma constante na nossa matriz e na vila. Desde o altar de São Pedro (com as insígnias da jurisdição da Santa Sé no seu tecto a provar a união da Real igreja a São João de Laterão, resultante de várias bulas papais nesse sentido, julga-se), passando pelo púlpito, onde existe a sua efígie (obra atribuida a António de Pádua) e pelo pormenor da tela de Pedro Alexandriino, entrando-se na sacristia, onde existe a imagem já referida de São Pedro Ad Vincula (em cujo nicho colocaram mais recentemente a imagem do Cristo Rei que estava na Capela do Santíssimo), visitando-se a torre do relógio da vila (o que resta da antiga capela malgrado a perda das colunas da Capela que estavam até não há muitos anos no quintal do Tenente Soares), em Constância, São Pedro, pode afirmar-se, é uma presença cultual e toponímica, ainda marcantes Temos aí a «Rua de São Pedro» que resiste ao rebaptismo forçado pelo republicanismo fanático.

Da invocação de seu irmão, Santo André, existia outra capela, na Arrochela, no «antigo sítio de Santo André», numa das antigas entradas da vila, podendo encontrar-se várias referências a esta ermida, por exemplo, recorrendo-se ao arquivo quinhentista da Misericórdia, depositado em Santarém. Nos inquéritos paroquiais do século XVIII faz-se referência às ruínas do altar-mor. Sei do local e já publiquei na imprensa alegadas fotos de pedras dessas ditas ruínas.

Temos assim dois apóstolos, pescadores, venerados na antiga vila de Punhete, uma vila de ancestrais tradições de« mareantes» ou «marítimos» e de pescadores.

A 22 de Fevereiro é celebrada a festa litúrgica da Cadeira de São Pedro ( a festa da Cátedra de Sâo Pedro) e, a 29, a Solenidade dos Santos Pedro e Paulo (Paulo, também ele sob efígie no nosso artístico púlpito). Quis o destino que eu nascesse na véspera de São Pedro, quando se fazem as fogueiras e as marchas em honra desta Santo. Vem ao caso um episódio com graça em que quiseram retirar as chaves do céu a São Pedro para com elas se proceder ao meu baprtismo e o Santo não deixou. Em meu auxílio acorreu logo São José, pai adoptivo de Jesus, que entregou nas mãos das minhas madrinhas, Maria Eugénia (criada da paróquia) e Maria Alves (irmã do prior Ramiro), o seu lírio. O lírio, diz-se, representará a pureza do coração de São José bem como a vitória da vida sobre a morte. É a vitória dos santos, a vitória de São José sobre o mundo, sobre o pecado e, em Jesus Cristo Nosso Senhor, a vitória sobre a morte.

Em homenagem a um tio paterno meu falecido precocemente, fiquei com o mesmo nome próprio

Concebido e baptizado em Constância, nasci no Hospital do Salvador, em Abrantes, na cidade da minha família materna. Há 53 primaveras. Nas horas de grande aflicção lembro-me de São José e meto uma cunha a São Pedro… ao qual por vingança já tentei retirar as chaves várias vezes…

José Luz (Constância)

PS – São Pedro Ad Vincula (acorrentado) nalguns locais é sinónimo de um local ligado a antigos enterramentos de presos famosos. O culto em Punhete há-de ter uma explicação. Na antiga Capela de São Pedro que perdurou até ao século XIX, crê-.se, houve, seguramente, sepulturas. Bora lá investigar…