Foto CM Abrantes
PUB

A Câmara Municipal de Abrantes inaugura segunda-feira, dia 14 de junho, dia da Cidade e feriado municipal, pelas 18h00, a nova museografia da Igreja de Santa Maria do Castelo, após uma intervenção* para valorização do edifício, que é monumento nacional, e do património integrado no seu interior. A partir do dia 15 de junho, reabre as portas para a visita ao público, no horário de terça-feira a domingo das 10h às 12h30 e das 14h às 17h30. Encerra à segunda-feira e feriados (exceto 25 de abril, 10 e 14 de junho, 5 de outubro e 1 de dezembro).

A Igreja de Santa Maria do Castelo é um fator distintivo do Castelo da cidade, integrando o Panteão dos Almeida, que abriga vários túmulos, entre os quais os dos Condes de Abrantes (sécs. XV e XVI), sendo que os mais belos são em estilo gótico florido flamejante; uma estrutura retabular quinhentista; azulejos hispano-mouriscos e exemplares de frescos ou pinturas murais, que datarão do século XVI

Com a intervenção realizada nos últimos meses, através de painéis expositivos, no Panteão dos Almeida, o visitante poderá usufruir de ambientes cenográficos e sonoros, recordando dentro de cada espaço diferentes memórias da história e obra da família Almeida, a ínclita geração da nobreza portuguesa, associada à história de Abrantes e a vários momentos da história de Portugal. Na antiga sacristia exibe-se um documentário e no templo está também instalada uma mesa interativa que dá a conhecer de forma lúdica um conjunto de temas e personagens intimamente ligados com a história da Igreja. No acesso ao coro alto pode ainda observar-se algum acervo arqueológico recolhido em várias escavações que, em diferentes momentos, ocorreram na fortaleza abrantina. Para melhorar o acesso ao interior da igreja foi colocada uma rampa para pessoas com mobilidade condicionada, no acesso lateral norte.

O investimento na musealização dos elementos patrimoniais do Panteão dos Almeida está integrado no projeto mais vasto do Município de valorização, conservação e promoção do património histórico, fazendo parte de um conjunto de produtos turísticos que atraiam mais pessoas para o território e que se juntem a outras áreas de interesse turístico incontornáveis, como o património religioso ou o património natural.

O Panteão integrará a rede de Museus de Abrantes, em constituição, que inclui o Museu MDF – Metalúrgica Duarte Ferreira, em Tramagal, – Prémio Museu do Ano em 2018, atribuído pela APOM -, o MIAA – Museu Ibérico de Arqueologia e Arte, que se encontra em fase de instalação no Convento de São Domingos, e, mais tarde, o MAC – Museu de Arte Contemporânea que nascerá no mítico Edifício Carneiro e ainda o Quartel da Arte Contemporânea.

*A intervenção na Igreja de Santa Maria do Castelo traduziu-se na colocação de um soalho sobrelevado em madeira de pinho, no qual se sustentam vários vidros iluminados, suporte para os conteúdos. Esta opção por elementos minimamente intrusivos, que não interferissem com o edificado e que deixassem em aberto a possibilidade da reversibilidade, foi condição determinante, imposta pela DGPC – Direção-Geral do Património Cultural, para concretização deste projeto.

O investimento, que incluiu o projeto, a obra de construção civil para adaptação da igreja à instalação da museografia e a aquisição de sistemas cenográficos e tecnológicos, foi de 325.324,60 €. Foi financiado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER) 276.525,89€, através de candidatura aprovada ao Programa Operacional Regional do Centro 2020, com enquadramento na Prioridade de Investimento – “Investimento na conservação, proteção, promoção e desenvolvimento do património Cultural. Já a Câmara Municipal assegurou a componente nacional tendo suportado a quantia de 48.798,71€.

PUB