Foto João Marques
João Marques joaomarques@entroncamentoonline.pt

Finalmente temos em Portugal o Kia Rio na versão GT-Line, versão essa que já existia em outros países da Europa já à alguns anos. O GT-Line vem assim complementar uma lacuna que a Kia tinha na sua gama, incapaz de dar resposta a quem queria um modelo mais desportivo e que optaria pelos já existentes “FR’s” e “ST-Line’s” por exmplo.

O Rio GT-Line tem uns pormenores mais desportivo que o diferenciam do modelo normal.

Na parte dianteira temos uns para-choques mais acentuados e desportivos. Nas suas laterais temos uns plásticos pretos que ao longe parecem umas grandes entradas de ar, e as típicas luzes “ice cube” dos GT-Line da Kia. Na parte lateral destacam-se as jantes de 17 polegadas e pneu de baixo perfil que dão uma certa “stance” ao Rio. Na parte traseira temos no topo da bagageira a preto para contrastar com a carroçaria, um pequeno spoiler. No para-choques temos um pequeno difusor e duas ponteiras de escape desportivas, e também, tal como na parte dianteira, temos uns plásticos pretos que ao longe parecem umas entradas de ar.

No interior temos um friso no tablier que imita fibra de carbono e que dá um ar desportivo à cabine. A qualidade dos materiais é o normal para este segmento, em que no topo do tablier temos material um pouco suave. Tudo o resto são plásticos. Os bancos são umas baquets desportivas com um encosto bom. Apesar de serem desportivas não são desconfortáveis. O volante também é desportivo em forma de D, e na sua base tem o logotipo “GT-Line”. A pega também é ótima e desportiva.

A habitabilidade na parte traseira também não é má, sendo que temos mais espaço para as pernas do que num Ford Fiesta, mas não mais do que num Volkswagen Polo. Para levar três adultos é que não recomendamos dado que a carroçaria é estreita.

A versão ensaiada vem equipada com um motor de 3 cilindros 1.0 cilindrada turbo com 100cv e 172Nm de binário.

Em comparação com a versão normal não encontro qualquer diferença na condução, o que não acontece, por exemplo, na Seat em que os FR’s têm uma suspensão mais rija para uma condução mais desportiva.

O Rio GT-Line não é um carro sem emoções (como o Honda Jazz), mas que para um carro que tem o intuito de ser desportivo, este poderia ser mais divertido. No entanto ao fazermos uma condução desportiva o motor tem uma resposta razoável, e nas curvas agarra bem apesar de ser um pouco “barco”. A razão está em ser um carro com uma suspensão suave, que por um lado é bom para fazermos condução citadina, para passarmos nos empedrados e lombas sem termos “dores de costas”. O que também o torna bom dentro de cidade é a sua visibilidade que é boa, e a direção que é bastante leve para melhor fazermos as manobras. Em auto estrada também fazemos viagens confortáveis, o único problema é o barulho do vento e das rodas devido ao fraco isolamento da cabine (típico do segmento).

No que toca aos consumos conseguimos uma média de 6.5lts.

O Kia Rio obteve 5 estrelas nos testes de segurança do EuroNcap com 93% na segurança dos adultos, 84% na segurança das crianças, 71% na segurança dos peões e 59% nas ajudas à condução.

A versão ensaiada custa 21.390€, no entanto é possível obter um Rio por 12.560€, e paga 103,12€ de IUC.

Um agradecimento à Julião Luz e Filhos pela cedência da viatura para ensaio (www.juliaoefilhos.pt/)