Aproveito este espaço para fazer aqui um balanço, um balanço das autárquicas e dos 3 anos e meio em que fui eleito. 

Começo pelo balanço das eleições e da campanha eleitoral. 

Quero publicamente dar os parabéns à minha equipa, às dezenas de independentes que estiveram e continuam connosco e que abraçaram e contribuíram para esta candidatura. 

Logo de seguida que lamentar a  falta de ética que imperou nesta campanha, lamentar a falta de valores por parte de alguns dos nossos adversários. 

 Lamentavelmente até no próprio dia das eleições presenciou-se faltas de ética por parte de alguns candidatos que “passearam” junto das mesas de voto, a apontar para boletins de votos, a receber eleitores à saída do TURE, a pressionar com a sua presença. A democracia não é isso. 

Quanto a mim há valores dos quais não abdico e que os elementos da lista que encabecei partilham. Na política como na vida, os valores estão primeiro. 

As tentativas de denegrir a imagem de alguns candidatos, a tentativa de bipartidizar as eleições, o ridicularizar outras campanhas e listas, tudo isto me deixou com vontade de continuar, de fazer ainda mais do que já se fez, a mim e à minha equipa. 

A campanha chegou ao ponto de uma mera assinatura de um candidato num mural de um evento ter sido rasurada, na política não deveria valer tudo. As atitudes ficam para quem as pratica. 

Se fico com uma sensação de frustração, fico. E fico porque sei que o programa que eu e a minha equipa tínhamos era a alternativa ao PS, era a alternativa para estes 20 anos de PS e PSD. Éramos o único partido com um programa realmente exequível e sem estar carregado de ideologias. As nossas ideias eram centradas nas pessoas e na nossa cidade, eram centradas nos problemas com que os Entroncamentenses se debatem,  sem “megalomanias”, sem dogmas, sem interesses particulares, mas focadas nos interesses de todos. 

Fomos no debate que existiu a única força política da oposição, que falou em medidas concretas sem atacar ninguém , sem recurso a cábulas escritas por alguém e sem o mofo das ideias de um passado ou de um velho comité. 

No dia 1 fizeram-me a pergunta se não estava arrependido de não ter ido coligado como PSD, aqui a minha resposta só podia ser NÃO.  Mas passo a explicar, eu e a minha equipa não poderíamos nunca ir coligados com pessoas como alguns dos elementos das listas do PSD. Há pessoas com muito valor na lista do PSD, mas há valores que nos impedem de ir com outras pessoas dessa mesma lista. 

 Na política não vale tudo, a atitude, a maneira de estar na vida, os ideais, não são os nossos. 

Não quisemos por uma única vez voltar atrás, ao contrário do que previu o presidente da distrital do PSD, e posso-lhe dizer porquê, porque tínhamos um projecto alternativo, um projecto diferente do PS e do PSD.  

Lamento Sr. Nuno Serras, mas o que fizemos foi com boa-fé, foi com boa-fé e para os Entroncamentenses, foi a pensar neles que avançamos e não foi à pressa que avançámos,  foi sim com o intuito de dar uma alternativa à cidade, não nos arrependemos de ir sozinhos em nenhum momento da nossa candidatura, nem sequer na contagem dos votos. 

Quero aqui também rejeitar totalmente a ideia de que foi a dispersão de votos que deu a maioria ao PS, aproveito também para relembrar que um voto no CDS, foi e será sempre um voto no CDS, é um voto na mudança, é um voto na alternativa, é um voto no querer mais e melhor para a cidade. Fizemos o melhor resultado de SEMPRE para o CDS no Entroncamento, afirmamo-nos como a 4 força política no Entroncamento! Parabéns à minha equipa por esse grande feito, sem eles era impossível. 

Lamento a abstenção. Era preciso mais votantes, era preciso não deixar as nossas escolhas para outros. Espero que os que não votaram não venham reclamar que não acreditam em quem lá está, espero antes que daqui a 4 anos exerçam o seu poder de escolher quem querem para governar a sua cidade. 

O balanço do meu mandato, é o sentido de dever cumprido, o sentido de dizer que tudo fiz em prol do cidadão. Não mudava nada se tivesse de voltá-lo a fazer. 

Estarei por aqui, continuarei a ser o mesmo, continuarei a ser o mesmo critico seja pela positiva seja pela negativa. 

O caminho ainda agora começou!