Só quem ignora a verdadeira realidade é que não reconhece a importância da Educação no desenvolvimento de um país e, infelizmente, temos vivido, em Portugal, numa completa ignorância sobre esta evidência.
 
Há quem diga que somos um país de analfabetos. Não concordo! O que temos, isso sim, são políticos que, pura e simplesmente, ignoram a importância da Educação!
 
Sabe-se que o professor é altamente conceituado e respeitado nos países considerados mais evoluídos e são-no porquê? Coincidência? Não acredito…
 
Não seguindo estes exemplos que são evidentes, a falta de atenção dos nossos políticos é tão grande que não vêem, a curto(!) prazo o que está a acontecer!
 
Com uma política de poupança(?) para o futuro(?) do país, os últimos governos tentaram diminuir o número de professores. O desfecho foi o envelhecimento da classe profissional, desde os que permanecem no quadro até aos que, há mais de 20 anos, permanecem no 1º escalão da carreira.
 
Quem nos vai (des)gorvenando fala em redução das despesas, mas será que não pensam que a Educação é um investimento?
 
A dura realidade dos números é evidente sobre a forma de pensar a Educação: segundo estudos recentes, cerca de 50% dos professores têm mais de 50 anos de idade e o número dos que têm menos de 30 anos é residual (cerca de 0,4%).
 
Assim, e dentro de muito pouco tempo, aproximadamente 40 000(!) professores ir-se-ão reformar. Como preencher este enorme vazio de forma tão repentina? Não seria competente fazer de forma gradual e acertiva esta substituição? Infelizmente não se prevê que tal aconteça e os “nossos” políticos continuarão a assobiar para o ar…
 
Já Henry Adams dizia: “Um professor afeta a eternidade; é impossível dizer até onde vai a sua influência.”
Continuamos a ser um país adiado…