O Presidente da Câmara Municipal da Golegã, Rui Medinas, tendo tomado conhecimento da intenção da Caixa Geral de Depósitos de proceder ao encerramento do balcão da Golegã, solicitou na quinta-feira dia 23 de fevereiro, e com caráter de urgência, uma reunião ao Presidente da Comissão Executiva, Paulo Macedo, com o propósito de lhe transmitir a sua total discordância em relação a tal decisão bem como para lhe expor a realidade do negócio bancário no concelho, não tendo, até ao momento, qualquer informação nesse sentido, segundo um comunicado à imprensa emitido hoje.
 
Segundo a Câmara da Golegã conseguiu apurar, os clientes da CGD ainda não foram informados do encerramento do balcão, mas os trabalhadores já terão recebido a informação de que o balcão encerra a 31 de março.
 
Rui Medinas não quer aceitar que o concelho da Golegã venha a ser o único no Distrito de Santarém, a não ter um balcão do banco público, tendo já dado conhecimento desta situação ao Presidente da República, Primeiro-Ministro e deputados eleitos pelo Distrito.
 
Os Serviços Jurídicos da autarquia estão a preparar a submissão de uma providência cautelar que suspenda a execução da decisão e uma petição pública que requeira reavaliação do encerramento do balcão e que solicite a manutenção de pelo menos um balcão público em todos os concelhos.