PAPA FRANCISCO
 
(Poema ao Bispo de Buenos Aires)
 
 
 
Por favelas e bairros pobres da cidade,
Com espírito altruísta de Missão,
Qual apóstolo sem vaidade, nem bordão,
Cheio alforge a transbordar d’humanidade!
 
Levantavas na passagem os caídos…
Como outrora bem fizera Madre Teresa,
Procuravas vestir os nus, pôr-lhes a mesa,
Eras o sol radioso dos oprimidos!
 
Mas de Buenos Aires para Roma, montado num cometa,
Deste rumo a nova vida, nova etapa,
Num breve instante te elegeram Papa,
És do Mundo novo farol, novo Profeta!
 
Hoje os crentes agradecem ao Criador,
Por criar tão cordata criatura,
Que ao Mundo aponta os caminhos da lisura,
Da Concórdia, da Paz e do Amor!
 
 
 
 
Aveiro – Maio 2017
 
Autor: Alfredo Martins Guedes