ENTRONCAMENTO
 
 
(Linhas Cruzadas...)
 
 
 
Tens o brilho das estrelas, no firmamento,
Das cidades desta Praia-Lusitana!
Como é belo em ti viver, sem um lamento,
Pulsa em ti um coração cheio de alento...
Oh! verde tela da lezíria ribatejana!
 
Por carris te chegou a carta-branca,
Com a celeste pia baptismal...
Mas tiveste em boa hora uma alavanca,
No genial Dom José de Salamanca,
E no visionário rei de Portugal!
 
Cruzou, então, nestas terras seu destino,
Aquele férreo e fogoso cavalo de vento!
Por isso hoje aqui estás, doce menino,
A emoldurar este verde chão tão fino...
E te chamam, com amor, Entroncamento!
 
Já passaste dos sessenta, proba idade,
Mais um salto, e chegarás ao centenário!
Serás sempre dos comboios, a cidade,
Mãe-memória guardiã da perenidade...
Preservada no belo Museu Ferroviário!
 
 
 
 
Entroncamento 
 
Autor: Alfredo Martins Guedes