A programação do Teatro Virgínia para os meses de abril, maio, junho e julho foi apresentada esta tarde.
 
A temporada inicia com um filme-concerto a 1 de abril. «How To Become Nothing» junta o músico The Legendary Tigerman, a fotógrafa Rita Lino e o realizador Pedro Maia numa road trip pelo deserto da Califórnia.
 
Para comemorar o Dia Mundial da Dança, o Teatro Virgínia convidou o coreógrafo Victor Hugo Pontes a apresentar o espetáculo Nocturno aos mais pequenos nos dias 28 (escolas) e 29 de abril (famílias). Ainda na dança, Clara Bevilaqua e Guilherme Calegari darão a conhecer «Conversas de Corpo», um espetáculo concebido na relação direta com o público, com sessões para escolas e famílias (23, 24 e 25 de maio). A 25 de junho e no âmbito das comemorações do 40.º aniversário da Companhia Nacional de Bailado, o Teatro Virgínia acolhe um espetáculo constituído por quatro peças em reposição, de quatro criadores diferentes.
 
António Zambujo, um dos nomes incontornáveis da música portuguesa atual, apresenta o álbum «Até Pensei que Fosse Minha», uma homenagem a Chico Buarque, a 6 de maio. Na semana seguinte, a 14 de maio, o Coral Sinfónico de Portugal traz Requiem de Giuseppe Verdi. E a 20 de maio o Choral Phydellius dará um concerto comemorativo do seu 60.º aniversário.
 
No teatro, os Artistas Unidos trazem-nos «Jardim Zoológico de Vidro», a partir da obra de Tennessee Williams a 8 de abril. No dia 21 de abril para escolas e no dia 22 para público geral, o Grupo de Teatro Juvenil do Virgínia apresenta o resultado de longos meses de trabalho e de aprendizagem com a peça «Atalhos», com texto de Joana Craveiro.
 
Os bilhetes já se encontram à venda.