EOL - Como avalia a realidade desportiva do concelho no conjunto de todas as modalidades existentes?
 
JR - A atividade desportiva no concelho é rica, dinâmica e ativa. É diversificada e para todas as idades. Existe uma oferta muito alargada de modalidades o que permite a qualquer cidadão optar em função da sua vontade e apetência. O desporto é visto por nós como um fator determinante de saúde e bem estar, de grande unidade, criação e mobilização da cidade e um importante elemento social. Resulta de um extraordinário trabalho realizado por todos os clubes e associações, pelo excelente gosto pessoal e empenho dos atletas e das famílias, pelas infraestruturas desportivas exemplares e de lazer em que investimos e pelos diferentes apoios assegurados pela autarquia.
 
A nossa aposta, sem precedentes, no desporto em mandatados anteriores permitiu criar uma cultura ativa de desporto na cidade. Juntamente com as ações que constam já do nosso Programa de Desenvolvimento e Ação, será possível reforçar não só essa cultura, como criar uma verdadeira “Cidade do Desporto”- “Uma cidade com vida, uma cidade com futuro”.
 
Os resultados são, por isso, extremamente positivos e sempre em crescendo, quer em número de praticantes, quer na diversidade das modalidades, quer nos prémios conseguidos, quer nos atletas que formamos e “exportamos”, quer na notoriedade conseguida, cada vez maior, da cidade.
 
Esta oferta e esta cultura, eleva a qualidade de vida numa cidade, chama e fixa famílias no concelho e isso é fundamental. À Autarquia cabe a importante responsabilidade de continuar a apoiar a prática desportiva, acompanhando as diferentes associações e clubes, as suas necessidades, propostas e sugestões, identificando, construindo e mantendo as melhores soluções de equipamentos e infraestruturas para a prática desportiva, otimizando e rentabilizando com todos os envolvidos a utilização e ocupação dos mesmos.
 
EOL - A capacidade instalada em pavilhões, campos e demais infraestruturas desportivas municipais é suficiente para a procura existente por parte dos munícipes? Ou há modalidades para as quais a resposta já é insuficiente? Que propostas tem nesta matéria?
 
JR - Os mais importantes complexos desportivos construídos / requalificados (Parque Verde do Bonito, Piscinas, Pavilhão Desportivo, Campos de Futebol, Campos de Ténis, Campo de Futebol 5, Campo de Street Basket, Parque Radical, Pista de Atletismo, Ginásio e Fitness,…) com todas as infraestruturas de suporte permitem hoje a prática de mais de 30 modalidades por mais de 1000 atletas oficiais de todas as idades ligados aos vários clubes e associações desportivas, e por todos os outros munícipes que o fazem por desporto ou lazer.
 
Disponibilizar esta oferta de equipamentos permitiu não só alargar o tipo e número de modalidades, bem como melhorar as condições de treino e competição dos nossos atletas permitindo que possam estar a um nível competitivo nacional e internacional, conquistando importantes troféus em todas as competições em que participam.
 
Estes equipamentos são, hoje, igualmente requisitados por clubes e associações desportivas de todo o país para receberem eventos desportivos distritais, nacionais e internacionais da primeira linha das várias modalidades.
 
Estas infraestruturas, para além da qualidade devem ser mantidas, requalificadas/atualizadas e rentabilizadas ao máximo para colmatar as lacunas existentes neste momento, essencialmente em horas de grande procura.
 
Para além de eventuais espaços que possam vir a ser criados, nomeadamente novos campos de padel e os essenciais melhoramentos na piscina municipal, pista e equipamentos de atletismo, parece-nos que a criação de protocolos com as Entidades que detém na cidade lugares adequados à prática desportiva são um caminho que deve a Autarquia seguir, de modo a permitir aos clubes, associações e cidadãos a prática desportiva de acordo com as suas expectativas.
 
A Câmara Municipal deve assegurar e suportar o custo destas instalações, de modo a permitir a prática ao maior número de cidadãos nas instalações do nosso concelho.
 
E, muito importante, teremos de dar um passo em frente e procurarmos soluções que permitam aos clubes e associações terem sedes dignas de trabalho, quem sabe, instalações próprias de treino e prática em algumas modalidades, quando possível.
 
EOL - Preocupa-o particularmente o facto bastante atípico de o Entroncamento ser um dos raros municípios do país sem uma equipa de futebol sénior representativa da cidade? Que pode a autarquia propor neste caso?
 
JR - A existência de uma equipa de futebol sénior traduz-se sempre em dinamização e vivência da cidade quer pelos munícipes, quer pelos apoiantes dos clubes visitantes. Foi essa a realidade durante muitos anos, quer no campo de futebol do Bairro Camões, quer já no campo municipal do Bonito.
 
O Entroncamento dispõe de infraestruturas necessárias para a existência de uma equipa de futebol sénior, cabendo aos clubes e associações a sua dinamização. À Autarquia caberá o papel de apoio tal como faz às restantes Organizações desportivas do concelho.
 
Temos que refletir em conjunto com os clubes, tal como o fizemos recentemente em reuniões de trabalho com todos eles. A mensagem que nos foi transmitida é que, por ora, a aposta mantém-se na formação e no reforço da qualidade desta como meio de sustentabilidade e criação de condições para a possível constituição de uma equipa sénior competitiva.
 
EOL - Que interpretação dá ao facto de o Entroncamento apresentar tão bons resultados em termos da formação de muitas modalidades, não correspondendo depois aos resultados obtidos pelas respetivas camadas seniores (que muitas vezes nem existem, faltando continuidade aos projetos desportivos)?
 
Como já referimos anteriormente a nossa cidade é efetivamente brindada frequentemente com bons resultados desportivos em termos de formação, fruto de uma estratégia do anterior executivo em criar espaços desportivos exemplares e do empenho dos agentes desportivos da cidade, onde nos referimos claramente aos clubes e associações que na sua maioria estão atualmente focados na formação, razão pela qual o sucesso é grande, contando com centenas de atletas nas mais diversas modalidades.
 
A saída dos jovens para estudarem fora do concelho impede a sua continuidade na formação, o que conduz a uma redução das práticas desportivas diversas nas camadas seniores. Por outro lado, referimos novamente que a aposta na formação é uma opção para garantia da sustentabilidade. Os diferentes clubes e associações com quem estamos a trabalhar ativamente indicam-nos ainda que as condições para a competição são muito significativas, sobretudo, em termos financeiros.
 
Apesar disto é para nós uma razão de orgulho o facto de muitos dos praticantes jovens conjugarem a sua vida académica com a formação desportiva e serem, em muitos casos, integrados em equipas de nível nacional, das mais diversas modalidades, continuando a sua prática desportiva fora do concelho mas levando o nome do concelho mais além. Mas é continuando o desenvolvimento por nós verdadeiramente iniciado, e desenvolvendo o Entroncamento em termos de estudo universitário e de criação de emprego qualificado que possibilitamos que muitos atletas permaneçam na cidade.
 
EOL - Em termos globais, que tipo de política desportiva pensa incentivar na cidade? Prevê reunir com os representantes dos clubes e associações nesse sentido? Neste sentido, é possível afirmar o Entroncamento como cidade desportiva?
 
JR - A candidatura do PSD às eleições autárquicas já reuniu com todas as associações desportivas do concelho, de modo a analisar a situação atual de cada uma, os seus anseios e expectativas, preparando um plano de ações de acordo com aquilo que é a realidade no terreno de cada Organização. Este foi um trabalho essencial para dialogar com todos os agentes e compreendermos melhor as suas especificidades.
Iremos realizar brevemente o I Fórum do Associativismo e o I Fórum da “Cidade do Desporto” onde iremos partilhar resultados, debater as nossas forças, desafios e oportunidades, refletir sobre a constituição de concelhos municipais do Associativismo e do Desporto, criar mecanismos de comunicação e coordenação de atividades e trabalho com os clubes e associações, desenvolvimento do desporto escolar, ligação das associações e clubes às escolas, manutenção e enriquecimento do parque desportivo, promoção e apoio de grandes eventos desportivos locais, nacionais e internacionais, entre outras medidas fortemente estruturantes e de desenvolvimento que temos previstas para o nosso Programa da “Cidade do Desporto”.
 
A política desportiva é essencial na nossa cidade para a promoção do bem-estar e da qualidade de vida, tal como já afirmámos anteriormente, e que nos faz ser reconhecidos como uma Cidade que aposta no desporto, nas diversas modalidades e infraestruturas. Mas traremos ainda valor acrescentado com novas abordagens e formas de apoio, coordenação e promoção do desporto na cidade, conjuntamente com todos os agentes e munícipes.