SANTARÉM
 
( Hino à Capital do Gótico ) 
 
 
Sois Berço Luso do Gótico
Renda fina e burilada,
Na fria pedra traçada
Por lúcidas mentes,
E por ágeis mãos moldada,
Usufruto da Humanidade…
E Tesouro da Arte Nacional!
 
Mas sonhando-te
Futuro melhor,
Com lágrimas,
Sangue
E suor...
Numa luta sem quartel...
Fostes tomada à moirama,
Pelo rei Afonso de fama,
Primeiro de Portugal!
 
Do alto das Portas do Sol
Desafias o enorme Tejo,
Que num místico
E secreto desejo,
Vindo cansado d’Espanha
Teima teus pés em beijar!...
 
Aqui mata a fome e a sede,
Da fértil lezíria verde,
Onde encontra largo chão…
Fofa cama, e colchão
Para as forças restaurar!... 
 
Destes à Pátria Nobres
Filhos!
Tens vaidade em teus
Campinos…
Garbosos em suas montadas,
Com seus trajes e seus
Pampilhos...
Domadores de bravos toiros,
Orgulho da Raça Humana!
 
Por isso atrais multidões...
Que partem com recordações...
E por voltar, reclamam,
A ti - querida Santarém,
- Terra Mítica - Mundo além...
Bela Jóia Ribatejana!
 
 
 
 
Entroncamento:
Autor: Alfredo Martins Guedes