A Filarmónica União Artista de São Roque do Pico, nos Açores, encheu o Centro Cultural do Entroncamento, neste sábado à noite.
 
A Filarmónica Açoriana está no continente para um intercâmbio com as Filarmónicas do Entroncamento, de Vila Nova da Barquinha, onde atua no domingo e de Pedrógão, Torres Novas onde atuará na segunda-feira.
 
O padre Luciano Oliveira. que já foi pároco em São Roque do Pico, foi o grande responsável por esta digressão da filarmónica, que o Presidente da Câmara Municipal de São Roque do Pico, Mark Anthony Silveira, acompanha.
 
Antes do concerto no Centro Cultural, a Filarmónica União Artista fez questão de tocarem em frente ao edifício dos Paços do Concelho e trocarem presentes com os representantes do município, Ilda Joaquim e Tília Nunes.
 
Fundada no dia 1 de março de 1880, pelo seu primeiro maestro, o funcionário público Manuel Garcia de Simas, a Filarmónica “União Artista” conta atualmente com cerca de 35 elementos, tendo como maestro o Prof. e Compositor Helder Bettencourt e a direção é presidida por Maria dos Anjos do Nascimento Silva.
Mantém desde 1978 uma escola de música apoiada pelo competente departamento do Governo Regional, de onde saem anualmente os jovens que vão renovando esta Filarmónica.
 
Em 9 de Abril de 2001, foi declarada Instituição de Utilidade Pública, por Despacho do Presidente do Governo Regional dos Açores.
 
 
Aquando das comemorações do 120º aniversário da sua fundação, foi emitida uma Medalha comemorativa e foi editado, com o apoio da DRAC e do Município, o livro (Monografia) desta Filarmónica da autoria do Comendador P. José Idalmiro Ávila Ferreira, ilustre filho desta terra – Sinfonia dos 120 anos da “União Artista” – onde se compilou muita da história desta instituição cultural, que é uma das poucas filarmónicas da ilha e dos Açores que manteve sempre uma atividade ininterrupta.
 
Em 2005 comemoraram o 125º aniversário, com a emissão de uma Medalha alusiva a esta data, além do lançamento do 1º CD com a gravação dos números mais significativos do reportório musical, além de outros eventos que assinalaram condignamente este marco histórico na vida de qualquer agremiação socio-cultural. Realizaram também em 2005, uma deslocação à Califórnia, Estados Unidos da América – cidades de San Diego, Tulare, San José, Hanford e Hayward – com o apoio, na receção e estadia, dos emigrantes.
 
 
Em Agosto de 2007 inauguraram a nova Sede Social com excelentes infraestruturas para ensaio, e todas as funções inerentes ao normal funcionamento diário da filarmónica e com outras instalações muito bem idealizadas para convívio dos sócios e familiares, contando com um enorme salão com palco e camarins, além de um bar de apoio.
 
 
Recentemente tiveram uma deslocação em intercâmbio à Praia da Vitória com a Filarmónica União Praiense e voltaram à ilha das Flores à Festa do Emigrante em Julho de 2015.
 
 
No último verão foram à Festa de Santa Maria Madalena e à Semana do Mar na Horta-Faial participar no I Festival de Filarmónicas do Triangulo, a única que representou a ilha do Pico, além das festas religiosas tradicionais na ilha e na Paróquia que costumam anualmente abrilhantar.