A Assembleia Municipal do Entroncamento reuniu-se em Sessão Ordinária esta quinta-feira em jeito de balanço dos últimos quatro anos, já que foi a última deste mandato.
 
Com uma agenda composta por apenas dois pontos: Projeto de Alteração do Regulamento de Habitação em Regime de Arrendamento Apoiado do Município do Entroncamento, que foi aprovado por unanimidade e a Apreciação da Informação do Presidente da Câmara Municipal, acerca da atividade do Município, a última sessão ordinária durou pouco mais de uma hora.
 
No período de intervenção do público foi Mário Rodrigues ex-deputado municipal da CDU que aproveitou para fazer também um balanço dos últimos quatro anos.
 
Fernanda Alves (PS), José Miguel Baptista (PSD), Pedro Gonçalves (CDS) e Telma Jorge (CDU) foram os deputados municipais que tomaram a palavra nesta última sessão.
 
O Presidente da Assembleia Municipal, João Lérias, que não se recandidata, e o Presidente da Câmara Jorge Faria também utilizaram a ocasião para fazerem um balanço e agradecimentos.
 
O papel da comunicação social no acompanhamento das sessões da Assembleia Municipal foi referido por quase todos os intervenientes que agradeceram o trabalho realizado.
 
NOTA DA REDAÇÃO:
 
Intervenção de Mário Rodrigues no período de intervenção do público na última Assembleia Municipal do Entroncamento
 
Por razões técnicas na receção do áudio durante a transmissão em direto da última Assembleia Municipal do Entroncamento, houve um corte no som durante a intervenção do senhor Mário Rodrigues no período reservado à intervenção do público, a qual naturalmente lamentamos.
Em email enviado à redação Mário Rodrigues anexa a sua intervenção, que publicamos na íntegra, renovando o nosso pedido de desculpas.
 
 
1- CUMPRIMENTOS
2- DECLARAÇÃO DE INTERESSE- NÃO SOU CANDIDATO
3- O estado de dívida brutal da Câmara em 2013
4- O DESAGRAVAMENTO DA DÍVIDA - COM O APOIO , CREIO DE TODAS AS FORÇAS POLÍTICAS COM “UMA EXCEÇÃO” AQUANDO DOS ORÇAMENTOS
5- Gestão corrente da CÂMARA, VISTA APENAS NA QUALIDADE MUNICIPE
a)A cultura não tendo sido esquecida (melhorou em termos relativos) mas ela ficou muito abaixo do que seria exigível e desejável; parafraseando alguém “sem cultura não há economia que resista.( centro cultural; festas para o centro)
b) O “dossier” da limpesa dos arruamentos e jardins não foi gerido a meu ver com a acuidade devida, faltou aqui, creio investimento capaz de obviar a esta problemática. Quer com meios humanos quer com equipamentos –máquinas auxiliares.
c)Relativamente com o Pessoal da Câmara direi que , é sempre em qualquer Organização a chave para a prosperidade e para o sucesso, é o meu entendimento visto por fora que relativamente ao assunto do horário de trabalho, ele deveria ter sido resolvido de uma forma mais justa e harmoniosa, mesmo tendo em conta as condições onde a Lei se manifestou. Este é um assunto que pode e deverá ser reparado.
d) Práticamente todo o ornamento do trânsito dentro desta nossa cidade precisa como o pão para a boca de ser revisto e após um estudo objetivo deve ser levado à prática.
e) Numa boa parte de lugares estratégicos (rotundas, cruzamentos, entroncamentos, etc) não existe sinalização nenhuma que indique as várias direções.Colocando assim, muitos condutores às voltas sem encontrarem o seu destino de paragem.
f) Estação poder central– existem dois grandes problemas- o problema do seu interior da passagem aéria e dos perigos que lhe estão subjacentes . No seu exterior- poder Local- não existem condições para se estacionar (sendo mesmo proibido) basta um comboio trazer uns minutos de atraso para ser um caso sério com a quantidade de viaturas em contraordenação.
g) No que ao ensino diz respeito sou cético relativamente aos poderes e atribuições das Autarquias por duas grandes ordens de razões a 1ª das quais por me parecer muito pouco financeiramente o que o Poder Central transfere para o Poder Local para fazer face às atribuições atuais e às que se preconizam para o futuro.
A 2ª razão prende-se objetivamente com “O PESSOAL NÃO DOCENTE” , Por um lado com um número insuficiente para fazer face às necessidades “por favor não me venho com rácios”, sendo também manifestamente incompreensível que este “PESSOAL NÃO DOCENTE” DEPENDA FUNCIONALMENTE DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E ADMINISTRATIVAMENTE DA CÂMARA ( QUEM TEM TEM AFINAL COMPETENCIA PARA AVALIAR O DESEMPENHO PROFISSIONAL DESTE PESSOAL)???
Em suma, lá que haja alguma descentralização no ensino, sim que haja, mas sempre acompanhada por meios financeiros e Humanos e devemos politicamente não permitir a Autarquização do Ensino.
FUTURO.
Assuntos já colocados por mim publicamente:
1- Cine teatro são João, espera-se que no próximo ano já esteja a funcionar. Foi um bom trabalho apenas pecou um pouco por tardio.
2- Parques de estacionamento pagos- creio que devem reverter para a gestão direta da Câmara e serem revistas as taxas- Outros locais de pagamento na chamada zona-A da cidade o estacionamento deverá ser livre (com exceções de cativar lugares para deficientes e outros que se mostrem indispensáveis.
3- Continuar junto do Poder Central ( com outras Autarquias)para que a problemática da Estação se resolva.
4- Com o aparecimento das novas tecnologias, já não existe mais trabalho de mão de obra intensiva (ferrovia, militares, construção civil, etc) a NOSSA CIDADE passou e passa a ser mais “um dormitório “ e nessa medida a Autarquia deveria tentar junto do Poder Central “ um passe de viagem no comboio mais económico”, para quem se desloque para trabalhar em Lisboa e em outros locais.
5- Os bairros ferroviários que se estão a degradar (Estação, bairro camões, vila verde) após boa análise e viabilidade deveriam entrar nos planos de reabilitação ( passando de seguida por alienação ou rendas económicas)
6- Tudo fazer junto do poder central para não permitir o desmembramento da EMEF , ATRAVÉS DA PLANEADA PRIVATIZAÇÃO E CONSEQUENTE PERDA DE POSTOS DE TRABALHO E COM MAIS EMBOBRECIMENTO PARA A NOSSA CIDADE.
7- Muita atenção `”TRIAGEM” E AO SEU EVENTUAL ENCERRAMENTO- A privatização da CPcarga nunca deveria ter acontecido (não dava votos)
Somos o País na Europa que temos menos mercadorias transportamos sobre ferrovia, é 90% transportada sobre pneumáticos (camiões) com um custo 10 a 12 vezes superior e poluindo a atmosfera com co2 ao invés da ferrovia…
8- É urgente quer esta Autarquia do Entroncamento , quer outras, Barquinha, Golegã, Torres Novas, Chamusca, etc que se analise tão rápido quanto possível as “Instalações do eis INSTITUTO SUPERIOR DE TRANSPORTES” Que tinha Excelentes salas (novas) tinha um Laboratório de Fisica há 15 anos equipado de forma moderna, laboratório de eletrónica, laboratório de Máquinas ferramentas de comando numérico e de Mecânica, laboratório de eletricidade e laboratório de soldadura.
Tendo como objetivo estas Autarquias poderem negociar junto do poder central juntamente com a Universidade de Lisboa da existência de um INTITUTO SUPERIOR DE TRANSPORTES PÚBLICO para funcionar na nossa cidade, com duas licenciaruras, a saber; uma de engenharias em “transportes e logística” e outra licenciatura em “mecatrónica”
9- Que as Autarquias do Entroncamento e Torres Novas reivindiquem junto do Poder Central a rápida requalificação da estrada naciona nº 3 Entº /Torres Nonas.
10- Para continuar a “desfraldar a bandeira” e bem da cidade do desporto, é diria, imperioso que Autarquia seja um veiculo de ajuda para trazermos de vota o futebol sénior a esta cidade, creio, como já disse publicamente e de modo a não haver constrangimentos, as instalações do campo de jogos do BAIRRO CAMÕES DEVERIAM SER REABILITADAS. É MINHA CONVICÇÃO que o futebol sénior seria uma mais valia económica para o desenvolvimento da cidade.
11- Permitam-me sonhar, porque o sonho é que comanda a vida, se o INSTITUTO SUPERIOR DE TRANSPORTES PÚBLICO , vier a ser uma realidade, então poder-se-ía pensar “porque tanto se fala na descentralização” do “IMT” VIR PARA A NOSSA CIDADE E PORQUE NÃO A “SECRETARIA DE ESTADO DOS TRANSPORTES”??
12- Finalmente, porque as últimas são as primeiras, terá de haver quer a nível do Poder Central, quer a nível do Poder Local, OUTRO TIPO DE POLITICAS PARA O MUSEU NACIONAL FERROVIÁRIO, FINANCEIRAS E OUTROS MEIOS DE FORMA A COLOCAR ESTE MUSEU NO MAPA DOS MELHORES MUSEUS FERROVIÁRIOS DA EUROPA (QUE JÁ HOJE É) FALTANDO-LHE, CONTUDO, PARA ALÉM DAQUELES MEIOS, FORTES CAMPANHAS DE PUBLICIDADE INSTITUICIONAL.
ENTRONCAMENTO, 7 de Setembro de 2017,
Mário De Matos Rodrigues, eleitor nº 196